Pesquisa inovadora prova que academias não representam risco adicional de pegar COVID-19


Um estudo acadêmico de larga escala concluiu que “não existe ameaça de aumento da propagação do COVID-19” nas instalações de fitness, mesmo quando ocorre treinamento intensivo.

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Oslo, liderada pelo professor Michael Bretthauer, pesquisou a transmissão do SARS-CoV-2 (o vírus responsável pela COVID-19) – e se era atribuível às academias.

“Nosso estudo não mostrou transmissão de vírus ou aumento da doença COVID-19 relacionada à abertura de academias”, disse Bretthauer.

A pesquisa – a primeira do gênero na Europa – estudou 3.764 membros do público, com idades entre 18 e 64 anos, que não tinham comorbidades relevantes ao COVID-19.

Aproximadamente metade (1.896) das pessoas teve acesso a academias, enquanto a outra metade (1.868) – um grupo de controle – não.

Os primeiros tiveram acesso a cinco academias – SATS Sjølyst e CC Vest (dois clubes de saúde pertencentes ao gigante nórdico do fitness SATS), STOLT Stovner e Rommen (ambos operados pela rede de academias STOLT Trening) e EVO Bryn (um ginásio de propriedade e operado por EVO Fitness Group).

As instalações foram abertas a partir de 22/05/2020 especificamente para o estudo – enquanto a Noruega ainda estava em lockdown – e as atividades disponíveis nas academias incluíam serviços que os clubes normalmente forneciam, desde pisos de academias a aulas em grupo (incluindo spinning e yoga).

Aqueles que visitavam uma academia tinham que seguir o protocolo de prevenção ao novo coronavírus elaborado pelo Instituto Norueguês de Saúde Pública.

Eles incluíam distanciamento social (um metro para exercícios no chão, dois metros para aulas de alta intensidade), além de intensificar a higiene das mãos e da superfície, enquanto todas as estações de treino eram fornecidas com desinfetantes para que fossem limpos após cada uso.

A equipe da academia também controlava o acesso às academias, para garantir medidas de distância e evitar aglomerações. Os vestiários estavam abertos, mas os chuveiros e saunas estavam fechados.

A equipe de pesquisa testou cada pessoa quanto a SARS-CoV-2 por amostragem auto-administrada de naso, orofaringe e escarro após duas semanas – e doença clínica por ligação a registros eletrônicos de pacientes após três semanas.

No grupo que treinou em uma academia, 81,8% treinaram pelo menos uma vez e 38,5% visitaram uma academia seis vezes ou mais, com o restante variando entre essas duas medidas.

Dos 3.016 indivíduos que retornaram os testes de SARS-CoV-2 PCR, houve um teste positivo, mas enquanto o indivíduo positivo fazia parte do “grupo da academia”, eles não haviam visitado a academia antes do teste positivo e rastreamento de contato constatarem que eles foram realmente infectados no local de trabalho.

Durante o estudo de três semanas, não houve visitas ambulatoriais ou internações devido ao COVID-19 em nenhum dos grupos.

Além disso, dos 91 funcionários que trabalharam nas instalações de treinamento durante o período experimental e concordaram em fornecer dados, 83 (91,2%) foram testados para SARS-CoV-2 e nenhum foi positivo.

Em conclusão, as pesquisas declararam: “Nosso estudo não mostrou transmissão de vírus ou aumento da doença COVID-19 relacionada à abertura de instalações de academia, fornecendo boas rotinas de higiene e distanciamento social.

“Pela lei de emergência, todas as instalações de treinamento foram fechadas na Noruega durante a pandemia. O fechamento foi justificado pelo pressuposto de que a atividade de treinamento nas instalações aumentaria o risco de transmissão de vírus entre os membros das instalações e, portanto, a doença de COVID-19 entre os membros, funcionários e comunidade.

“No entanto, medidas básicas de higiene das mãos e de distanciamento social – assegurando uma distância de 1 a 2 metros entre os indivíduos – são medidas comprovadas e importantes de proteção à transmissão de vírus. Elas são baratas, fáceis de aplicar e não exigem grandes recursos”.

“Durante a pandemia do COVID-19, os países introduziram o fechamento de importantes atividades da sociedade porque se supunha que as medidas simples não seriam suficientes para conter a transmissão de vírus.

“No entanto, se a contenção de vírus, incluindo rastreamento de quarentena e contato, higiene das mãos e medidas pessoais de distanciamento social forem suficientes para impedir a disseminação do vírus, o fechamento poderá ser evitado.

“Nosso estudo procurou testar se o fechamento de academias é necessário ou se as instalações abertas podem fornecer higiene e distanciamento social suficientes para impedir a propagação do vírus”.

“Se medidas de higiene e distanciamento pudessem ser alcançadas, assumimos que seria seguro abrir academias e instalações de treinamento.

“Como mostram nossos resultados, não houve aumento de doenças relacionadas ao COVID devido à abertura de academias e instalações de treinamento”.

Acesse aqui a pesquisa da Universidade de Oslo na íntegra ou clique aqui 

Fonte: https://www.healthclubmanagement.co.uk/health-club-management-news/COVID-19-SATS-STOLT-EVO-Fitness-Michael-Bretthauer-University-of-Oslo/345783

VEJA TAMBÉM ….